Solidariedade da Sorte


Genivaldo de Jesus Santos — Foto: Arquivo pessoal

Sobrinho da vítima relatou que mesmo diante da sua tentativa de diálogo, os policiais usaram spray de pimenta contra a vítima e o colocaram dentro do porta-malas.

A morte de um homem após uma abordagem da Polícia Rodoviária Federal no município de Umbaúba (SE), nesta quarta-feira (25), provocou a indignação por parte da família e de moradores da cidade. Durante a ocorrência, ele foi mobilizado por policiais e colocado dentro do porta-malas de uma viatura, onde inalou fumaça.

Quem é a vítima?

Genivaldo de Jesus Santos tinha 38 anos era aposentado em virtude da esquizofrenia. Ele era casado com Maria Fabiana dos Santos e tinha um filho de oito anos.

Quando e onde aconteceu a abordagem?

A abordagem aconteceu na tarde de quarta-feira (25) no município de Umbaúba, sul do estado de Sergipe. Três policiais rodoviários federais abordaram Genivaldo na BR-101 quando ele pilotava uma motocicleta.

Como foi a abordagem?

De acordo com Wallison de Jesus, sobrinho da vítima que viu o momento da abordagem, o tio foi abordado por agentes da PRF quando pilotava uma motocicleta.

“Eu estava próximo e vi tudo. Informei aos agentes que o meu tio tinha transtorno mental. Eles pediram para que ele levantasse as mãos e encontraram no bolso dele cartelas de medicamentos. Meu tio ficou nervoso e perguntou o que tinha feito. Eu pedi que ele se acalmasse e que me ouvisse”, contou.

Vídeos feitos por testemunhas mostram que, no início da abordagem, os agentes olham a documentação e revistam Genivaldo com as mãos na cabeça, o xingam, e o homem se incomoda.

Em outra imagem, um dos agentes tenta imobilizá-lo com as pernas no pescoço, enquanto outro se aproxima armado.

Ainda caído, Genivaldo tem as pernas e as mãos amarradas. Em seguida, é colocado no porta-malas do carro, com as pernas para fora e o restante do corpo dentro. Uma fumaça de origem não identificada começa a sair do compartimento e a vítima grita.

O sobrinho de Genivaldo relatou que mesmo diante da sua tentativa de diálogo, os policiais usaram spray de pimenta contra a vítima e o colocaram dentro do porta-malas. “Eles jogaram um tipo de gás dentro da mala, foram para delegacia, mas meu tio estava desacordado. Diante disso, os policiais levaram ele para o hospital, mas já era tarde”.

Ainda de acordo com Wallison, a abordagem, o socorro e a confirmação da morte aconteceram no período de uma hora.

Fumaça sai de viatura da PRF durante abordagem que deixou homem morto em Umbaúba (SE) — Foto: TV Sergipe/Reprodução


Quando aconteceu a morte de Genivaldo?

Segundo nota da PRF, durante a condução de Genivaldo até a Delegacia de Polícia Civil de Umbaúba, ele passou mal e foi levado "de imediato" ao Hospital José Nailson Moura, onde foi contestada sua morte.

A família diz que ele chegou sem vida ao hospital, que afirma ter usado técnicas para reanimá-lo durante o socorro.

Qual foi a causa da morte?

Segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML), a morte de Genivaldo foi causada por asfixia mecânica e insuficiência respiratória aguda. Outros exames, ainda não concluídos, foram realizados para detalhar a razão da morte.

O que causou a fumaça vista saindo do carro?

A origem da fumaça vista nas imagens da abordagem não foi informada pela PRF. O sobrinho de Genivaldo, que testemunhou a abordagem, afirmou que os policiais jogaram um tipo de gás dentro da mala.

Quem são os policiais que participaram da abordagem?

Os policiais não foram identificados pela PRF.

O que a PRF alega?

Em nota, a PRF afirma que Genivaldo "resistiu ativamente a uma abordagem" e que, por este motivo, "foram empregados técnicas de imobilização e instrumentos de menor potencial ofensivo para sua contenção"

Afirmam ainda que, durante o deslocamento para a delegacia, "o abordado veio a passar mal e socorrido de imediato ao Hospital José Nailson Moura, onde posteriormente foi atendido e constatado o óbito".

O que a família alega?

Wallison, sobrinho da vítima, contesta a versão de que Genivaldo resistiu à abordagem. “Em nenhum momento ele exibiu força. Inclusive, na hora que foi abordado, ele levantou as mãos e a camisa, e mostrou que não tava com arma nenhuma”, disse.

Segundo a família, a vítima tinha esquizofrenia e tomava remédios controlados há cerca de 20 anos.

“Eu não chamo nem de fatalidade. Isso aí foi um crime mesmo, eles agiram com crueldade pra matar mesmo ele", afirmou a viúva, Maria Fabiana dos Santos.

O que acontece agora?

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) abriu um procedimento disciplinar para averiguar a conduta dos policiais envolvidos. A polícia não informou se os agentes foram afastados de suas atividades regulares.

A família registrou um boletim de ocorrência na delegacia da cidade. A Polícia Civil informou que começou a ouvir testemunhas.

A Polícia Federal (PF) abriu inquérito para investigar o caso. Em nota enviada à imprensa, a corporação afirmou que "diligências acerca do caso já foram iniciadas e a PF trabalha para esclarecer o ocorrido o mais breve possível".

A Ordem dos Advogados do Brasil em Sergipe está acompanhando os desdobramentos e disse, em nota que, "tem respeito pelas instituições, mas não compactua com qualquer tipo de violência ou de tortura".

Fonte: Macajuba Acontece

Comentários

Postagem Anterior Próxima Postagem

CAMARA DE JACOBINA

Alicell Atacadista

AUGUSTO URGENTE- JACOBINA BAHIA