Cresce o índice de mortalidade e suicídios entre índios no país

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

A mortalidade entre crianças indígenas de até cinco anos de idade cresceu 18,5% no país e os suicídios entre índios de todas as idades aumentaram 18% na comparação entre 2015 e 2016. Os dados integram o relatório anual de violência contra os povos indígenas divulgado nesta quinta-feira (5) em Brasília pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário), vinculado à CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

De acordo com o relatório, o número de assassinatos aumentou de 54, em 2015, para 56 no ano passado. No Maranhão, o número passou de três para 11 casos. No Mato Grosso do Sul, houve 15 assassinatos. Em junho do ano passado, um grupo paramilitar atacou guaranis acampados em Caarapó (MS), matando um índio, Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza, e ferindo outros seis, incluindo uma criança de 12 anos.

Ao longo do ano passado, 106 indígenas tiraram a própria vida, com crescimento expressivo na região do Alto Rio Solimões, que saiu de 13 casos, em 2015, para 30 no ano de 2016. Recente pesquisa do Ministério da Saúde apontou que a taxa de suicídio entre indígenas no período 2011-2015, de 15,2 para cada grupo de 100 mil habitantes, é quase o triplo da taxa registrada entre os não indígenas, de 5,9/100 mil.
Continue lendo...
Em 2016, 20% dos 30 índios que se mataram no Mato Grosso do Sul tinham de cinco a 14 anos de idade. Segundo os dados do Cimi, de 2000 a 2016 782 indígenas cometeram suicídio somente no Mato Grosso do Sul.

Em todo o país, 735 crianças indígenas de até cinco anos perderam a vida no ano passado por doenças diversas, contra 599 em 2015. A etnia yanomami foi a que concentrou o maior número de casos, com 103 mortes no ano passado. Em 2015, com base em dados oficiais do Ministério da Saúde, a Folha de S.Paulo apontou que a taxa de mortalidade infantil entre índios no ano de 2012, de 38 casos para mil nascidos vivos, foi mais do que o dobro da taxa nacional no mesmo ano (15 por mil).

O número total de assassinatos no ano passado, 56, inclui os que tem indígenas como autores, às vezes brigas motivadas por embriaguez. São muitos os casos não solucionados, como o assassinato da kaingangue Sebastiana Mendes. Seu corpo nu foi encontrado no dia 13 de junho de 2016 perto da rodoviária de Cascavel (PR), região em que os índios costumam passar a noite quando vêm da aldeia para a cidade. FP

Postar um comentário

  © Augusto Urgente De olho na Notícia! by Augusto Jacobina 2013/2017 - Contato: (74) 9125-2490 / E-mail: cidadedoouro@globomail.com

Back to TOP