Utinga: Prefeito tenta não se impressionar com descoberta de gás e manda recado sobre rio

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Era para achar água, mas apareceu gás. Desde o dia 8 de maio, é o que se conta em Utinga, na Chapada Diamantina. Eles esperam pela confirmação da descoberta que pode mudar a economia local, afetada pelas sucessivas estiagens: a existência de um campo de gás natural. A primeira chama faiscou durante uma perfuração de poço. Um trabalhador precisou fazer uma solda em uma peça e ao ligar o maçarico, o “poço incendiou”, conta ao Bahia Notícias o prefeito da cidade, Joyuson Vieira Santos (PSL). Segundo ele, uma equipe da Agência Nacional de Petróleo (ANP) deve visitar os locais para constatar a presença do combustível. Enquanto eles não aparecem, um técnico ligado à ANP e os proprietários das terras não arredam o pé dos poços, fiscalizando e monitorando os espaços. "Eles estão monitorando, usando imagens. Pelo que fiquei sabendo nesta quarta-feira [17], o fogo tá no mesmo nível do estágio inicial. O técnico também ficou de agendar uma visita in loco [no próprio local] com o pessoal da ANP", relata. Os dois poços ficam na região do povoado do Cambuí, e ficam separados por uma distância de dois quilômetros. O prefeito aguarda com expectativa a confirmação do achado. "Para uma cidade que convive com a estiagem e o desemprego isso representa não só royalties, mas desenvolvimento regional", avaliou. Mesmo assim, Joyuson tenta não se impressionar com o fato e critica o governo do estado em relação ao estado do rio Utinga, principal fonte de água do município. "A gente quer aproveitar esse fato e dizer que cobra mais presença na preservação do Rio Utinga, que é afluente do Paraguaçu, que tanto serve no abastecimento da Bahia. Na busca de água, a gente acabou achando esse poço, que ainda não podemos identificar a viabilidade. A gente só não pode se empolgar com isso e deixar que essa cortina de fumaça, ou de gás, obscureça nossa necessidade real, que são os recursos hídricos", discursou. Utinga têm decretos de emergência por estiagem já reconhecidos pelo Estado e pela União. A ANP ainda informou que está “acompanhando o caso e mantém contato com as autoridades locais”. No entanto, o órgão federal disse que a área “sequer encontra-se em uma bacia sedimentar” e não foi “licitada pela ANP”. A associação de petróleo afirma que para ocorrer “exploração e produção de petróleo e gás natural no Brasil em uma determinada área, ela tem que ter sido incluída em uma das rodadas de licitações da ANP”.
Fonte: Bahia Notícias. 

Postar um comentário

  © Augusto Urgente De olho na Notícia! by Augusto Jacobina 2013/2017 - Contato: (74) 9125-2490 / E-mail: cidadedoouro@globomail.com

Back to TOP