Filha de detento morto no Carandiru tem indenização negada e é condenada por ‘má fé’

segunda-feira, 22 de maio de 2017

Filha de detento morto no Carandiru tem indenização negada e é condenada por ‘má fé’A juíza Carmen Cristina Fernandez Teijeiro e Oliveira negou indenização por danos morais à filha de um preso morto no presídio Carandiru, em São Paulo, no ano de 1992, quando mais de 100 detentos morreram. A autora pediu um pagamento de R$ 176,8 mil à Fazenda Pública de São Paulo, alegando ofensa ao apontarem o ocorrido como legítima defesa, ao invés de massacre, usando como base para o pedido a fala do desembargador Ivan Sartori, transmitida por algumas emissoras de televisão, o qual defendeu: “não houve massacre, houve legítima defesa”. Para a autora da ação, o anúncio do desembargador “maculou” a memória da família. Por isso, ela ainda pediu a veiculação na imprensa de pedido de desculpa, e que o estado assumisse a responsabilidade das mortes dos presos. Porém, todos os pedidos foram negados. A autora ainda foi condenada por litigância de má-fé por ter citado na ação a suspensão de uma exceção de suspeição que nunca foi deferida, segundo informações do Conjur. Em abril deste ano, o Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) decidiu que os 74 policiais militares condenados por 77 das 111 mortes do Carandiru deveriam passar por um novo julgamento, no entanto, não há data para tal procedimento. BN

Postar um comentário

  © Augusto Urgente De olho na Notícia! by Augusto Jacobina 2013/2017 - Contato: (74) 9125-2490 / E-mail: cidadedoouro@globomail.com

Back to TOP