Ads Top

Ads Top
recent

Após depredação de vestiário, Jacuipense suspeita de tentativa de incriminação

Uma confusão marcou o empate por 1 a 1 entre Jacobina e Jacuipense, no último domingo (16), pela segunda rodada do grupo 1 da Copa Governador do Estado. Após a partida, o árbitro Rafael Luis de Almeida Santos relatou que alguns chuveiros do vestiário visitante foram danificados. A informação foi repassada pelos administradores do Estádio José Rocha.

O presidente do Jacobina, Rafael Damasceno, disse que o delegado da partida iria tomar as devidas medidas contra o episódio, mas isentou a diretoria do Leão do Sisal de culpa. “Conversei com o Felipe [Sales, presidente do Jacuipense], ele não concordou com isso e chamou os jogadores dele para conversar. Até isento a diretoria disso, pois eles não concordaram com isso”, disse o dirigente, em entrevista ao Bahia Notícias.

Pelo lado do Jacuipense, o sentimento é de revolta. De acordo com o presidente do clube, após uma conversa com os jogadores e comissão técnica, ficou claro que não houve depredação do vestiário do José Rocha. “Acabei de pedir informações à comissão técnica e da diretoria para saber o que houve. Eu passei pelo vestiário e não vi nada disso. Depois, fui para o ônibus. Curiosamente, depois que o ônibus foi embora, disseram que aconteceu isso. Mas, quando passei lá, não vi. Tudo que disseram que os jogadores fizeram, é mentira. Primeiro que um dos chuveiros já estava quebrado”, bradou.
Durante a conversa com Felipe Sales, houve uma tentativa de incriminar os jogadores do clube. “Eu me prontifiquei para saber o que aconteceu. O clube iria pagar isso se fosse verdade e iria retirar do salário dos jogadores. Mas eu conheço a índole dos jogadores e sei que não o fizeram. O que pode ter acontecido é alguém do próprio estádio quebrar isso para botar a culpa na gente. Quebrar um chuveiro de R$ 10 é piada, né? O Jacuipense está há cinco anos na primeira divisão e nunca houve nenhum tipo de atitude assim”, decretou.

Os momentos de tensão teria começado após a expulsão do zagueiro Rone, do Jacuipense, por ter pedido ao árbitro a entrada de uma ambulância em campo para socorrer um jogador que estaria passando mal. “O jogo estava transcorrendo normalmente, mas nos últimos momentos a arbitragem se atrapalhou. Eu posso colocar a culpa na arbitragem. O juiz puniu nosso jogador porque cobrou uma ambulância em campo para um jogador que estava tendo um tipo de convulsão e deu o cartão para nosso jogador e disse ‘aqui o seu’. Era o segundo do cara [Rone], que foi expulso. Estou vendo se consigo um efeito suspensivo, caso o árbitro ajeite essa súmula”, lamentou.

Além de Rone, o meia Marconi e o técnico Clebson Beleza foram expulsos. De acordo com o árbitro da partida, em súmula, o treinador invadiu o campo e empurrou o volante Ricardo Baiano, causando o ‘início de Tumulto’, que culminou em todas as expulsões pelo lado do time visitante. No momento, os dois clubes brigam pela classificação na Copa Governador do Estado. O Jacobina, com quatro pontos, está na segunda posição. O Jacuipense vem no terceiro lugar, com dois pontos conquistados.
Fonte: Bahia Notícias. 
Árbitro justifica expulsões | Foto: Divulgação / FBF
Clique na foto para ampliar

Após depredação de vestiário, Jacuipense suspeita de tentativa de incriminação Após depredação de vestiário, Jacuipense suspeita de tentativa de incriminação Reviewed by Augusto Urgente on 18 outubro Rating: 5